11 de jul de 2013

É hora de sair de cena...

Nosso objetivo foi atingido e voltaremos a qualquer momento...
visite nossa home page: http://anossaguararema.com.br/

8 de jul de 2013

O esquema do combustível

A corrupção é um dos grandes males que afetam o poder público, principalmente o municipal. E também pode ser apontada como uma das causas decisivas da pobreza das cidades e do país.
Criam-se instrumentos para dar à corrupção aspectos de legitimidade,  métodos mais ou menos padronizados e utilizados com uma certa regularidade nas prefeituras dirigidas por administradores corruptos.
Não é raro ouvir que houve suspeita de fraude, desvio do dinheiro público em esquema de cartel. Entre os envolvidos estão secretários de governo, assessores do prefeito, vereadores etc. 
Quando o cartel envolve frota de carros públicos, entram em cena, postos de combustíveis e frentistas.


Em Cachoeira Paulista, na Operação designada Pit Stop, com o valor gasto pela prefeitura, com combustível, cada um dos 30 veículos oficiais teria percorrido cerca 1.200 quilômetros diários.
Segundo dados polícia, a Prefeitura gastou, em média, 3,3 milhões/mês para manter em circulação uma frota oficial de 30 veículos.


A Polícia Federal apurou que os carros da prefeitura eram abastecidos em uma bomba diferente do posto alvo da investigação.

O litro da gasolina era comercializado por R$ 3,009 – valor mais caro que o praticado nas demais bombas, de R$ 2,60.




Outro caso envolvendo esquema de transporte é a prefeitura de Nova Friburgo (RJ) após a tragédia das chuvas em 2011.


O Esquema da tragédia - CPI criada após tragédia na região serrana
cita desvio em quentinhas e vans escolares em Nova Friburgo (RJ)

Foi contratada uma empresa para garantir a locomoção de estudantes de áreas rurais para escolas municipais situadas na região central do município. O programa de transporte escolar custou aos cofres do governo municipal R$ 775 mil.

Utilizaram a tragédia para tirar proveito da lei de licitações - renovaram várias vezes o contrato emergencial. A empresa escolhida para oferecer o serviço, gastou toda a verba em apenas 40 dias com vans e ônibus que, de acordo com a Secretaria Municipal de Educação, percorreram quase dez mil quilômetros em cada dia de aula.

Supondo que o período letivo tenha 200 dias por ano, os veículos de transporte escolar de Nova Friburgo percorreriam uma distância de mais de 1.700.000 km.
Eles poderiam dar 20 voltas ao mundo!.








O cartel das "quentinhas"

Existe uma espécie de "loteamento" nas concorrências públicas da área de alimentação.
 


Escandalosamente, são vereadores capachos, prefeitos mal intencionados, secretários corruptos, governadores ímprobos...

O fornecimento de refeições é só um exemplo do esquema de cartel.

Apresentamos um exemplo clássico do esquema do cartel das quentinhas:

1 - Alguma pessoa, leal escudeiro e beneficiário no esquema, entra em contato com a empresa no ramo de Alimentação.

2 - Estabelece-se o acordo entre as partes que compreende no ganho do processo licitatório e o fornecimento de 2000 quentinhas diárias, por exemplo.

3 - A empresa de Alimentação receberá os dividendos e terá que fornecer metade do combinado, ou seja, recebe pelas 2000 quentinhas, mas de fato, fornecerá 1000 quentinhas...

4 - É claro que a empresa de Alimentação também deverá devolver metade do dinheiro para o cartel das quentinhas.

Este é apenas um modelo de podridão. Vários outros esquemas podem surgir.
É preciso estender a investigação para áreas como educação, saúde e presídios etc.

Veja as matérias abaixo relacionadas:

CPI das Marmitex de Rolândia virou notícia na RPC

Esquema de fraude em merenda escolar envolve time devôlei de Montes Claros 

Irmão do vice-governador comanda esquema das"quentinhas"

Secretário é preso por mandar buscar 'quentinha' emhospital 

Fraude na marmita e namerenda em MG 

Prefeitura de Três Lagoas superfatura marmitex eservidores jogam comida no lixo




 


5 de jul de 2013

O grito dos excluídos

por Reginaldo Barbosa
Na semana passada, um grupo de jovens, em apoio aos protestos e passeatas que ocorrem pelo Brasil, comandou o acontecimento político mais importante da história do Município de Guararema.

Influenciados por esses protestos e passeatas, esses jovens Guararemenses criaram uma comunidade no Facebook e organizaram uma passeata para reivindicar direitos, democracia, inclusão política, moralidade e transparência no Brasil e no Município.
Em resumo: foi o grito dos excluídos.
fotos de Fernando Mayfair

Quanto aos “incluídos” nos assuntos políticos do Município, mais especificamente os jovens filhos de funcionários da Prefeitura e outros, restou o gosto amargo da repressão.
Nenhum “incluído” compareceu à passeata... dizem que é "por medo do pai, mãe, parente, perder o emprego, etc".


Comenta-se no meio dos “incluídos” que centenas deles ficaram muito tristes por não poderem participar desse evento jovem e tão importante para o Brasil, etc.

Será que em 2016, em troca de um miserável emprego na Prefeitura, assistiremos a "um cala a boca nos filhos da revolução" ?

Bom, de qualquer forma, dia 06/07 tem mais...





2 de jul de 2013

Justiça pode mandar repintar as faixas azuis

A Prefeitura de Guararema poderá repintar as faixas azuis de pedestre, após decisão do TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO (COMARCA DE MOGI DAS CRUZES).


fonte: google maps - Av. Ademar de Barros - Bairro Itapema

Há uma liminar deferida para proibir a Prefeitura de pintar as faixas de pedestres em desconformidade com o código de trânsito. Para dar maior transparência ao fato, segue liminar expedida pela Juíza Vanêssa Christie Enande.  Referência:  Processo nº 0001159-49.2013.8.26.0219 





Em maio de 2013, NOSSA GUARAREMA já tinha alertado a população sobre o problema.
As faixas azuis, além de serem irregulares, são mais caras. (recorde a matéria)

O Código de Trânsito Brasileiro em momento algum cita a cor AZUL, VERMELHA OU LARANJA para faixa de pedestres.

A cor para pedestres deve ser BRANCA (de acordo com a Lei - CONATRAM).

Faixa Azul é restrita para área de embarque ou desembarque ou estacionamento de pessoas deficientes físicos.